Declaração verbal ao Parlamento

Discurso da Primeira-Ministra ao Parlamento acionando o Artigo 50

A primeira-ministra Theresa May fez um discurso no Parlamento a respeito de sua carta de notificação ao presidente do Conselho Europeu sobre a intenção do Reino Unido de deixar a União Europeia.

British Prime Minister

Obrigada, senhor Presidente,

Hoje, o governo atua de acordo com o desejo democrático dos cidadãos britânicos. E atua também de acordo com a clara e convincente posição dessa Casa.

Há alguns minutos, em Bruxelas, o representante permanente do Reino Unido na União Europeia entregou uma carta para o presidente do Conselho Europeu por mim. Confirmando a decisão do governo de invocar o Artigo 50 do Tratado da União Europeia.

O processo do Artigo 50 esta encaminhado agora. E, de acordo com a vontade do povo Britânico, o Reino Unido esta saindo da União Européia.

Esse é um momento histórico do qual não há volta. O Reino Unido sairá da União Europeia. Nós tomaremos nossas próprias decisões e faremos nossas próprias leis. Nós vamos controlar o que mais nos importa. E vamos aproveitar essa oportunidade para construir um Reino Unido mais forte e mais justo – um país que nossos filhos e netos tenham orgulho de chamar de lar. Esse é nosso desejo e nossa oportunidade. É isso que esse governo está determinado a fazer.

Senhor Presidente, em momentos como esse – grandes reviravoltas em nossa história nacional – as escolhas que fazemos definem o caráter da nossa nação. Podemos optar por dizer que o trabalho a caminho é enorme. Podemos optar por olhar para o passado e acreditar que não é possível realizar essa tarefa. Ou podemos olhar para frente com otimismo e esperança - e acreditar no poder duradouro do espírito britânico.

Eu escolho acreditar no Reino Unido e que os nossos melhores dias ainda estão por vir. E eu faço isso porque estou confiante de que temos a visão e o plano de usar esse momento para construir um Reino Unido melhor. Porque sair da União Europeia nos oferece uma oportunidade única. Essa geração tem a chance de moldar um futuro melhor para o nosso país. Uma chance para dar um passo atrás e nos perguntarmos que tipo de país nós queremos ser.

Minha resposta é clara. Eu quero que o Reino Unido saia desse período mais forte, justo, mais unido e olhando mais para fora do que nunca. Eu quero que nos sejamos um país seguro, próspero e tolerante – um ímã para talentos internacionais e um lar para os pioneiros e inovadores que moldarão o mundo que está por vir.

Eu quero que sejamos um Reino Unido verdadeiramente global – o melhor amigo e vizinho dos nossos parceiros europeus, mas também um país que tem um alcance além das fronteiras da Europa. Um país que vai pelo mundo afora para construir relacionamentos com amigos antigos e novos aliados semelhantes.

E é por isso que eu estabeleci um plano claro e ambicioso para as negociações a seguir. É um plano para uma nova parceria profunda e especial entre o Reino Unido e a União Europeia. Uma parceria de valores. Uma parceria de interesses. Uma parceria baseada em cooperação, em áreas como segurança e relações econômicas. E uma parceria que funcione para os interesses do Reino Unido, da União Europeia e do mundo em geral.

Talvez agora, mais do nunca, o mundo precisa dos valores liberais e democráticos da Europa – valores os quais o Reino Unido compartilha. E é por isso que, mesmo saindo instituições da União Europeia, nós não estamos saindo da Europa. Nós continuaremos um amigo e aliado próximo. Nós seremos um parceiro comprometido. Nós faremos nossa parte para garantir que a Europa consiga projetar seus valores e se defender de ameaças à sua segurança. E faremos tudo que pudermos para ajudar a União Europeia a prosperar e triunfar.

Então, senhor Presidente, na carta que foi entregue ao Presidente Tusk hoje – da qual coloquei cópias na biblioteca da Casa - eu fui clara que a parceria profunda e especial que visamos trata dos interesses do Reino Unido, mas também da União Europeia.

Eu fui clara que vamos trabalhar construtivamente – em um espírito sincero de cooperação – para criar essa parceria. E eu fui clara que nós devemos buscar concordar os termos dessa futura parceria juntamente com os termos da nossa saída, dentro de dois anos.

Tenho ambições para o Reino Unido. E os objetivos que estabeleci para estas negociações permanecem. Forneceremos certeza sempre que possível para que as empresas, o setor público e todos os demais tenham toda a clareza que pudermos fornecer à medida que avançarmos no processo. É por isso que amanhã publicaremos um Livro Branco que confirma os nossos planos de converter o acervo em lei britânica, para que todos saibam onde estão.

E é por isso que eu tenho sido clara que o governo vai colocar o texto do acordo final estabelecido entre o Reino Unido e a UE para votação em ambas as câmaras do Parlamento antes de entrar em vigor. Tomaremos o controle de nossas próprias leis e traremos um fim à jurisdição do Tribunal de Justiça Europeu no Reino Unido. Sair da União Europeia significará que nossas leis serão feitas em Westminster, Edimburgo, Cardiff e Belfast. E essas leis serão interpretadas por juízes não em Luxemburgo, mas em tribunais por todo o país.

Vamos reforçar a União das quatro nações que compõem o nosso Reino Unido. Vamos negociar como um Reino Unido, tendo em conta os interesses específicos de cada nação e região do Reino Unido e quando se trata dos poderes que vamos retomar da Europa, vamos discutir sobre quais os poderes devem residir em Westminster e quais devem ser transmitidos às outras administrações.

Mas, Senhor Presidente, nenhuma decisão tomada atualmente pelas outras administrações será retirada delas. E é expectativa do governo que as administrações na Escócia, no País de Gales e na Irlanda do Norte vejam um aumento significativo no seu poder de decisão como resultado deste processo.

Queremos manter a área de viagem comum com a República da Irlanda. Não deve haver retorno às fronteiras do passado. Vamos controlar a imigração para que continuemos a atrair os melhores e mais brilhantes para trabalhar ou estudar no Reino Unido, mas gerenciando o processo corretamente para que nosso sistema de imigração sirva ao interesse nacional.

Procuramos garantir os direitos dos cidadãos da UE que já vivem no Reino Unido e os direitos dos cidadãos britânicos nos Estados-Membros o mais rápido possível. Isso foi claramente apresentado na carta como uma prioridade para as conversações futuras. Asseguraremos que os direitos dos trabalhadores sejam plenamente protegidos e mantidos. Na verdade, sob a minha liderança, não só o governo protegerá os direitos dos trabalhadores, mas também os apoiará.

Perseguiremos um acordo de livre comércio arrojado e ambicioso com a União Europeia, que permita o mais livre comércio possível de bens e serviços entre o Reino Unido e os Estados-Membros da UE; que conceda às empresas britânicas a máxima liberdade para operar e comercializar nos mercados europeus; e que permita que as empresas europeias façam o mesmo no Reino Unido.

Os líderes europeus têm dito muitas vezes que não podemos “escolher a cereja do bolo” e permanecer membros do mercado único sem aceitar a4 liberdades que são indivisíveis. Nós respeitamos essa posição. Mas como a aceitação dessas liberdades é incompatível com a vontade democraticamente expressa do povo britânico, deixaremos de ser membros do mercado único.

Vamos trabalhar para que também possamos celebrar acordos comerciais com países fora da União Europeia. Porque embora o nosso comércio com a UE seja e continue a ser importante, é evidente que o Reino Unido precisa aumentar significativamente o seu comércio com os mercados de crescimento mais rápido do mundo.

Esperamos continuar a colaborar com os nossos parceiros europeus nas áreas da ciência, da educação, de pesquisa e tecnologia, para que o Reino Unido seja um dos melhores lugares para a ciência e inovação. Buscamos a continuação da cooperação com os nossos parceiros europeus em áreas importantes como a criminalidade, o terrorismo e os assuntos externos.

É nosso objetivo entregar um Brexit correto e ordenado - alcançando um acordo sobre nossa parceria futura quando o processo do Artigo 50 seja concluído em dois anos, e então caminhando para um processo gradual da execução em que o Reino Unido, as instituições e os estados-membros da EU estejam preparados para os novos acordos que existirão entre nós.

Senhor Presidente, entendemos que haverá consequências para o Reino Unido ao deixar a UE. Sabemos que perderemos influência sobre as regras que afetam a economia europeia. Sabemos que as empresas britânicas que negociam com a UE terão de se alinhar às regras acordadas pelas instituições das quais já não somos parte, tal como fazemos em outros mercados estrangeiros. Aceitamos isso.

No entanto, abordamos essas conversas de forma construtiva, respeitosa e num espírito de cooperação sincera. É do interesse do Reino Unido e da União Europeia que devemos utilizar este processo para cumprir os nossos objetivos de forma justa e ordenada. É do interesse tanto do Reino Unido como da União Europeia que as perturbações sejam as menores possíveis. E é do interesse do Reino Unido e da União Europeia que a Europa se mantenha forte, próspera e capaz de projetar os seus valores no mundo.

No momento em que o crescimento do comércio global começa a abrandar e sinais de que os instintos protecionistas aumentam em muitas partes do mundo, a Europa tem a responsabilidade de defender o livre comércio no interesse de todos os nossos cidadãos. Com a segurança da Europa mais frágil hoje do que em qualquer outro momento desde o fim da Guerra Fria, enfraquecer a nossa cooperação e não defender os valores europeus seria um erro dispendioso.

O nosso voto para sair da UE não foi a rejeição dos valores que partilhamos como colegas europeus. Como país europeu, continuaremos a desempenhar o nosso papel na promoção e no apoio a esses valores - durante as negociações e uma vez que elas estejam concluídas.

Continuaremos a ser parceiros confiáveis, aliados dispostos e amigos próximos. Queremos continuar a comprar bens e serviços da UE, e a vender os nossos. Queremos negociar com eles o mais livremente possível e trabalhar uns com os outros para garantir que todos sejam mais seguros e mais prósperos através da amizade contínua. De fato, em um mundo cada vez mais instável, devemos continuar a forjar a cooperação de segurança mais próxima possível para manter nosso povo seguro. Enfrentamos as mesmas ameaças globais do terrorismo e do extremismo. Essa mensagem foi apenas reforçada pelo abominável ataque à Ponte de Westminster e a este lugar na semana passada.

Portanto, não deve haver nenhuma razão para que não devamos concordar uma nova parceria profunda e especial entre o Reino Unido e a UE que funcione para todos nós.

Senhor Presidente, sei que este é um dia de celebração para alguns e de decepção para os outros. O referendo de junho passado foi divisivo às vezes. Nem todos compartilhavam o mesmo ponto de vista ou votaram da mesma maneira. Os argumentos de ambos os lados eram apaixonados.

Mas, Senhor Presidente, quando me sentar na mesa de negociações nos próximos meses, vou representar cada pessoa no Reino Unido - jovens e idosos, ricos e pobres, cidade, cidade, país e todas as aldeias e vilarejos no meio.

E sim, também vou representar os cidadãos da UE que fizeram deste país a sua casa; é feroz a minha determinação para obter o acordo certo para cada pessoa neste país. Pois, ao enfrentar as oportunidades que nos aguardam nesta viagem, nossos valores, interesses e ambições compartilhados podem - e devem - nos unir. Todos nós queremos ver um Reino Unido que é mais forte do que é hoje. Todos nós queremos um país que seja mais justo para que todos tenham a chance de ter sucesso. Todos nós queremos uma nação que seja segura para nossos filhos e netos. Todos nós queremos viver em um Reino Unido verdadeiramente global que sai em busca e constroi relacionamentos com velhos amigos e novos aliados ao redor do mundo.

Estas são as ambições do plano deste governo para o Reino Unido. Ambições que nos unem para que não sejamos mais definidas pelo voto que emitimos, mas pela nossa determinação em fazer um sucesso do resultado. Somos uma grande união de povos e nações com uma história orgulhosa e um futuro brilhante. E agora que a decisão de sair foi feita - e o processo está em andamento - é hora de nos unirmos. Este grande momento nacional precisa de um grande esforço nacional. Um esforço para moldar um futuro mais forte para o Reino Unido.

Vamos fazer isso juntos. Vamos nos unir e trabalhar juntos. Vamos juntos escolher acreditar no Reino Unido com otimismo e esperança. Se fizermos isso, poderemos aproveitar ao máximo as oportunidades que temos pela frente. Podemos juntos fazer um sucesso deste momento. E juntos podemos construir um Reino Unido mais forte, mais justo e melhor - um Reino Unido que nossos filhos e netos tenham orgulho de chamar de lar.

Confio esta declaração à Assembleia.

Published 29 Março 2017