Notícia - Artigo

Reino Unido e CNI/Senai firmam Memorando de Entendimento

This world location news article was published under the 2010 to 2015 Conservative and Liberal Democrat coalition government

Conselheiro-chefe para Assuntos Científicos do Reino Unido celebra no Brasil acordo que contempla um aporte de mais de 22 milhões de reais

Sir Mark Walport*, Conselheiro-chefe para Assuntos Científicos do Governo do Reino Unido, visita o Brasil de 19 a 22 de maio com o objetivo de ampliar oportunidades de cooperação junto às entidades brasileiras de ciência, tecnologia e inovação nas capitais Brasilia, São Paulo e Belo Horizonte.

Em Brasilia, nesta segunda-feira (19), Sir Mark estará presente durante assinatura de Memorando de Entendimento com a Confederação Nacional das Indústrias (CNI/Senai), ao lado de Rafael Lucchesi, diretor de tecnologia da CNI e também diretor-geral do Senai. O acordo contempla um aporte de 3 milhões de libras por um ano pelo Governo Britânico, e estabelece as bases para que o CNI/Senai ofereça uma contrapartida de mesmo valor, totalizando cerca de 22,2 milhões de reais.

A iniciativa faz parte do Fundo Newton**, pelo qual o Governo Britânico oferecerá 9 milhões de libras anuais ao Brasil por três anos; sendo que instituições brasileiras deverão fazer um aporte de mesmo valor no período. O Fundo foi lançado no país em abril passado, com o objetivo de fomentar o avanço em pesquisa científica e inovação em países emergentes.

O acordo também inclui iniciativas de cooperação mútua junto ao Senai, a fim de facilitar o intercâmbio de pesquisadores para a formação e desenvolvimento de carreira, bem como treinamento e desenvolvimento de cientistas qualificados, organização de palestras e outras iniciativas de educação e pesquisa entre o Governo Britânico e as indústrias brasileiras.

Sir Mark presidirá ainda um workshop para discutir as atividades do Fundo Newton. Estão progamadas reuniões com personalidades governamentais brasileiras ligadas às áreas de Ciência e Tecnologia, além de encontros com representantes de instituições como o CNPq e a Embrapa.

O representante britânico desembarca em Belo Horizonte no dia 21, onde participará de uma mesa redonda de discussões com representantes do Senai, Governo, indústria e universidades de Minas Gerais. Visitará o Centro de Inovação e Tecnologia Senai FIEMG (CITSF) e irá se reunir com Olavo Machado, presidente da FIEMG, Evaldo Vilela, diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig e José Policarpo, diretor executivo do CITSF.

Sua agenda no Brasil termina em São Paulo no dia 22 com uma visita ao Instituto Butantan para apresentar modelos de inovação britânicos e cooperações em potencial. Na capital paulista, Sir Mark terá reuniões com a Fapesp e com empresas brasileiras interessadas em parcerias de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação com o Reino Unido.

Nota aos editores

*Sir Mark Walport foi nomeado Conselheiro-chefe para Assuntos Científicos do Governo do Reino Unido e Chefe do Gabinete Governamental de Ciências em abril de 2013. Ele é co-presidente do Conselho de Ciência e Tecnologia do Primeiro Ministro. Anteriormente, foi Diretor do fundo Wellcome Trust e professor de Medicina, assim como Chefe da Divisão de Medicina na Imperial College London. Sir Walport recebeu o título de cavaleiro da Rainha em 2009 por seu trabalho em pesquisas médicas, e foi eleito Membro da Sociedade Real em 2011.

**O Fundo Newton foi lançado no Brasil em abril de 2014 pelo Ministro de Finanças britânico, George Osborne. A iniciativa, que visa fomenter o avanço em pesquisa e inovação em países emergentes, totaliza 375 milhões de libras esterlinas (cerca de 1,4 bilhões de reais) e será disponibilizado por meio de coparticipação entre 15 países por três anos. O Brasil ficará com uma das maiores fatias: 9 milhões de libras esterlinas por ano (mais de 33 milhões de reais). O valor será igualmente retribuído pelo país, por meio do aporte de instituições brasileiras de pesquisa científica. O objetivo é apoiar a colaboração bilateral em prol do desenvolvimento de áreas-chave, como segurança alimentar, transformação urbana, bioeconomia e doenças negligenciadas.