Sobre palavras e atos no consumo sustentável no Brasil: os ‘aparentes paradoxos’ de uma pesquisa qualitativa